Vacinali-N

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Sex Nov 30, 2012 1:42 pm

Putz essa é a continuação de um outro conto, mas dá pra entender mesmo que não tenham lido o outro.

Long ficou em Oxipolis por dois anos e meio, clandestinamente, e ganhava muito dinheiro com muamba. Montou um laboratório modesto e passou a estudar o cérebro do alienígena nas horas vagas, mas quanto mais o tempo passava mais obcecado ele ficava pelo cérebro. Costumava passar horas sozinho com o cérebro nas mãos, e relaxou no trabalho de muambeiro. Parecia um viciado em drogas pesadas, alimentando idéias fixas de assassinato e experiências químicas com cadáveres.
Um ano e meio após o incidente na estação petroleira e sua chegada à Oxipolis Long sucumbiu, e assassinou um mendigo com uma facada.Este crime nunca foi descoberto. Um ano depois disto ele matou uma striper e três homens que nunca tinha visto antes. Atirou com uma calibre 12 em dois dos homens. A striper e o último dos homens se renderam. Long os desacordou na coronhada.Quando eles recuperaram os sentidos já estavam com a corda no pescoço. O homem logo percebeu que ia ser enforcado.
-- Espere... espere... -- disse ele com um nó na garganta, se esforçando para derramar suas últimas lágrimas. -- Não faça isto, vamos lá. Não vai conseguir esquecer nunca mais.
Long respondeu:
-- Não tem importância.
-- Ah, não, não, nãão! -- a striper percebeu que ia morrer. -- Não faça isto comigo. Não! Nããããão!
Long os enforcou mesmo assim e voltou para sua casa. Mas desta vez os detetives desvendaram o crime e Long foi obrigado a fugir de Oxipolis. Resolveu, então, voltar para Maverich. Comprou roupas novas e deu um trato no visual. Pegou a estrada levando o cérebro do monstro em uma mochila nas costas, pedindo carona.
Pouco tempo depois de chegar à Maverich Long conheceu Arina e os dois se apaixonaram. Mantiveram um relacionamento profundo que durou mais de dois anos. Arina tinha um irmão mais novo, Jorge. Ele se envolveu no mundo das drogas. Acabou levando nove tiros, três meses antes de se completarem dois anos desde o início do namoro de Arina e Long. Ele tinha apenas quinze anos e entrou em coma. Arina era estudante de medicina e estagiava no mesmo hospital em que seu irmãozinho estava internado.
No exato dia em que completavam-se dois anos de namoro, uma terça-feira, Long e Arina fizeram uma pequena comemoração à noite, no apartamento miserável que Long alugava. Foi então que Long resolveu contar a Arina tudo pelo que tinha passado.
Arina não acreditou em uma palavra mas Long mostrou o cérebro do alienígena a ela, algo inédito para Long que, desde o momento em que deixara a Antártida, no dia em que matara Chadu, nunca tinha deixado ninguém ver ou tocar o cérebro do alienígena.
Uma semana depois Arina matou Long e roubou o cérebro, que levaria também a ela pelos caminhos da obsessão.
Arina continuou os estudos das propriedades do cérebro. Um mês depois de ter matado Long, ela triturou o cérebro do alienígena e misturou o pó que sobrou (do cérebro) com líquidos químicos diversos. Obteve um litro desta mistura, e injetou ansiosamente em sua própria corrente sangüínea, uma dose.
No começo nada aconteceu. Mas no dia seguinte ela acordara completamente suja de sangue, nos túneis dos esgotos, com gosto de carne humana na boca e não tinha a menor idéia de como chegara ali. Em lapsos de memória, ela se lembrava confusamente de como fizera para matar suas vítimas e devorar os órgãos internos enquanto o sangue ainda estava quente, como um animal assassino.



Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Sex Dez 14, 2012 3:36 pm

O irmão de Arina

Aos quinze anos de idade Jorge ficou devendo dois mil reais para um traficante. Em vez de mandar matá-lo, o traficante disse que Jorge devia matar um policial chamado Alonso, e sua dívida estaria perdoada.
Alonso fazia a segurança em um estádio de futebol durante o jogo da quarta-feira. Depois do jogo, nas ruas, houve uma imensa briga envolvendo torcidas rivais e a polícia. Jorge aproveitara-se da situação; emboscou Alonso e deu dois tiros na cabeça dele. O parceiro de Alonso saiu em perseguição ao garoto. Depois de correr por cinco quarteirões, pular uma grade de aço e continuar correndo até um beco estreito, úmido, fedendo a mijo e lixo, o parceiro de Alonso acertou um tiro no ombro de Jorge. O garoto caiu no chão com o impacto.
A dor alastrou-se e ele vislumbrou a morte nos olhos cadavéricos do policial. Um sorriso cruel e sádico iluminava o semblante dele quando pisou nas costelas de Jorge e apontou a arma direto para o peito do adolescente. Apertou o gatilho três vezes. Os tiros ecoaram pela noite sinistra. Então o policial ía embora, abandonando ali o jovem para que agonizasse até a morte quando Januário, o traficante, e alguns amigos dele apareceram no beco para que o policial pudesse vê-los. Então mais tiros foram disparados, estampidos brutais e reverberantes que impregnam as noites com o cheiro de pólvora e sangue. O policial não teve chance. Quando caiu no chão já estava morto. Jorge não teve tanta sorte. Januário caminhou até ele e disse:
-- Sabe, amigo, eu tenho 37 anos. A vida é dura, principalmente na cadeia. Fiquei dez anos preso. Não era pra ter sido assim, vou ter que sacrificar você! -- a palidez ía tomando conta do rosto de Jorge.
O silêncio foi macabro durante um momento. Januário mirou. CLIC CLAC... BANG.BANG.BANG.BANG.BANG.BANG.BANG.BANG.BANG. O sangue sujou tudo. Dor e trevas.
As sirenes dos carros da polícia vinham chegando. Januário e seus amigos desapareceram nas sombras densas das vielas de Maverich, a cidade dos ricos. No beco ficaram apenas o cadáver do policial e o corpo peneirado de balas de Jorge, que foi parar na UTI, em coma.



Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Qui Fev 07, 2013 11:05 pm

Na primeira vez em que Arina perdeu o controle, os jornais notificaram dois assassinatos. Entrevistados disseram, em rede nacional, que viram uma mulher, de cuja boca saíam tentáculos, invadir um bar lotado aproximadamente às 11:30 da noite, matar e esquartejar duas pessoas e depois carregar os pedaços delas para dentro do sistema de esgoto.
O pânico espalhara-se pela cidade, consumindo a mente e o espírito das pessoas como as chamas de um incêndio devoram a matéria.
Desnorteada, suja e muito fedorenta, Arina voltou para a casa dela. Imagens nefastas e desconexas de uma violência brutal violavam-lhe a mente, enquanto ela tomava um banho, desesperadamente tentando manter a sanidade. Já era mais de meio-dia. Era melhor ficar em casa. Mal-estar. Confusão mental. Ela correu para o banheiro e vomitou. Vomitou muito. Sentia dor de tanto vomitar. Vomitara um sangue que não era dela. DESESPERO. Melhorou um pouco. A dor diminuiu. Ela levantou a cabeça e se olhou no espelho, mas o que seus olhos horrorizados viram não podia ser o reflexo dela, pois ali, no espelho, ela via a efígie de uma abominação saída dos abismos negros além do tempo e do espaço, em cujos olhos envolventes fulgurava o mais puro mal. Ela se assustou e saiu da frente do espelho.
Arina perdera a noção do tempo, que parecia flutuar dentro da mente dela apenas abstratamente, sem valor dentro da realidade da matéria da vida humana, da qual, lenta e implacavelmente, ela se distanciava cada vez mais. Em algum momento, um sabor novo surgira na mente dela, a princípio como um filete d'água, mas ganhando volume rápido e logo dominando por completo a mente obcecada de Arina. Então ela criou coragem e olhou, ansiosamente, no espelho de novo. E novamente ela viu um monstro ao invés do reflexo dela. Porém, desta vez foi diferente. Ela gostou... e passou longos minutos apreciando o semblante da monstruosidade com uma languidez grotesca. Mas ela estava fraca e cansada. Resolveu dormir um pouco.
Quando Arina acordou ela estava nos esgotos. Havia muito sangue, vísceras e odores nauseabundos. A escuridão e o suave som de água corrente. Ratos. Baratas. Gritos chamaram a atenção dela. Desta vez, a polícia estava procurando-a pelos túneis do esgoto e estavam perto. Mas ela conseguiu fugir, indo para a superfície. Logo os policiais chegariam à cena do crime mas ela não estaria lá.
Era de madrugada. Arina roubou um carro e foi até a casa onde morava. Pegou uma seringa, preparou uma injeção de Vacinali-N (nome que escolhera para o composto químico que criara) e escondeu o restante no porão, em um baú cheio de fotos antigas e roupas que ela usava quando era uma criança ingênua, que não serviam mais e que, no entanto, ela não tinha coragem de jogar fora. Depois, apressadamente, dirigiu o carro que roubara até o hospital onde Jorge estava internado, em um coma profundo como os precipícios oceânicos. Ela estava horrível, fétida, impregnada com a sujeira dos esgotos. Dois seguranças do hospital se dirigiram a ela e tentaram fazê-la voltar um outro momento:
-- Sinto muito, senhora, é melhor voltar depois de tomar um banho.
Arina os ignorou, desviando deles, mas eles entraram de novo na frente dela, desta vez com hostilidade indisfarçada no olhar.
-- Você não parece estar doente, sua porca! -- disse um deles -- Então é melhor... aaaarghhhhhhhh.
A frase do segurança do hospital foi interrompida violentamente, e transformara-se no estertor da morte dele. Um estertor que reverberou pelos corredores do hospital tal um calafrio que corre a espinha de um ser humano. Arina matara-o com os tentáculos gosmentos que nasciam de dentro das entranhas dela. Primeiro esmagara-lhe a cabeça e, arrancando-a do pescoço, a devorou, dilacerando-a com dentes afiados e grotescos, transformando-se n'um monstro. O outro segurança, completamente assustado, não esboçou reação e o destino dele foi igualmente aterrador.
O hospital esvaziara- se rapidamente depois disso. As pessoas entraram em pânico. Todos fugiram o mais rápido possível. Mesmo assim, em seu caminho até o leito onde Jorge estava em coma, Arina matou mais dez pessoas. Sangue. Vísceras. Morte. O som das sirenes dos carros de polícia vinha de todos os lados. Policiais destemidos ou loucos entravam no hospital para se deparar com a insanidade dos gestos de uma assassina além da compreensão deles. Ela não tinha tempo a perder.
Finalmente, Arina encontrou Jorge. A última coisa de que ela se lembra é de ter aplicado a vacina nele. Então, imediatamente, a realidade ao redor dela ficou turva, os sons ao redor vinham de uma origem exterior longínqua e, mais uma vez, ela perdeu o contato com o plano material da existência humana. Jogado nas trevas dos abismos além do tempo e do espaço, o espírito dela cambaleava através dos vórtices negros do sombrio destino que ela escolheu.
Ao recobrar a consciência, ela estava algemada no interior de uma estação de pesquisas científicas do governo. Durante meses ela foi torturada, estudada e interrogada. Então, um dia, ela disse onde estava o Vacinali-N.

Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Dom Mar 10, 2013 2:36 pm

Jorge acordou (do coma) em outro caos, completo e louco como a morte, e real. Logo de cara, ele era um monstro dominado completamente pelo DNA alienígena.Quando ele acordara, minutos depois de Arina ser capturada, já não havia mais ninguém naquele quarto do hospital.
Ele soltou uns urros horripilantes que foram ouvidos em todo o imenso hospital. Pânico. O único raciocínio de Jorge naquele momento foi a idéia rudimentar de fuga e medo. A primeira coisa que ele vira foi uma janela, e se encaminhou para lá e pulou em cima dela. Caiu do quarto andar direto no chão e ficou lá durante quarenta minutos como se estivesse morto. Porém ele não estava morto, nem em coma, mas em uma simbiose alienígena.
***
Dor. Jorge acordou novamente. Havia uma equipe de bombeiros e muita gente curiosa ao redor. O medo instintivo dominou-o novamente, e ele abriu caminho por entre essa gente toda derramando sangue. Foi correndo pelos becos, sem direção, deixando atrás de si um rastro de corpos humanos decaptados ou mutilados de alguma forma. Quatro pessoas tiveram as vísceras devoradas pelo alienígena. Quando a fome foi saciada Jorge recuperou um pouco o autodomínio e desceu para os esgotos. Hora ele gritava como um ser humano, endoidecido por vozes que soavam como sussurros contínuos nos ouvidos dele sobre os quais ele não tinha controle. Correndo pelos túneis escuros, em meio aos odores fétidos do esgoto, em meio aos roedores, Jorge passava por uma metamorfose brutal e percebia-se dentro dentro de um outro ser, a Vacinali-n. Nestas horas ele guinchava e todos os sons que saíam da garganta dele eram inumaos e terríveis como a voz de um cachorro endoidecido pela sede de matar.

Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Ter Mar 12, 2013 11:15 pm

Desta forma Jorge chegou ao bairro dos SCÓs, a gangue do Januário. Toda a polícia de Maverich estava louca. Fazia frio e parecia que ía chover. A forma alienígena de Penêra tinha tirado as vidas de três polícias e oito civis em seu trajeto desde o hospital até o bairro dos SCÓs. Surgindo do esgoto, tomou a rua e foi direto ao AT NIGHT SCHORIA, uma espelunca onde ele podia encontrar Januário. Penêra matou dois seguranças e se aproximou da porta de entrada. De dentro vinha um som de música muito alta. Penêra abriu a porta e o som de música muito doida explodiu nos tímpanos. Começou a chover torrencialmente. Por quinze minutos o movimento parou, houve muitas quedas de árvores e danos na rede elétrica.
Manêro James era o dj do At Night, casa noturna cheia de pixaçôes internas. Tinha um público pequeno. Naquele momento, ali, havia apenas 17 pessoas mas a música estava muito alta, n'uma verdadeira barulheira.
No subsolo do clube havia uma refinaria de cocaína e era lá que januário estava. Apesar de tudo, as pessoas que estavam no salão do bar, no piso acima, curtiam o som, e Manêro James provava que sabia o que estava fazendo em se tratando de música. Até o momento estava tudo normal.
***
James viu, por acaso, quando, pela porta do ATN, entrou Jorge, que todos tinham certeza de que estava morto.
Mas antes que Manêro entendesse qualquer coisa Penêra enlouqueceu e o alienígena tomou o controle. Tentáculos saíram das costas dele e, em 5 segundos, ele matou 5 pessoas e arremessou um imenso amplificador contra a mesa de som, destruindo toda a aparelhagem, interrompendo de uma vez por todas, imediatamente, a música. As trovoadas e a chuva podiam, a partir de então, serem ouvidas dentro do ATN, junto com os gemidos e estertores de 5 jovens que tiveram os membros arrancados ou as vísceras espalhadas pela parede.
Manêro quase dançou nessa. Quando a mesa de som foi destruída ele estava atrás (da mesa) e teria sido esmagado se não tivesse pulado para o lado sem pensar.
Ao interromper brusco da música alta Penêra voltou à forma humana. Olhou para os rostos das pessoas ali presentes. Medo. Horror. Alegria mórbida. Penêra deixou as pessoas restantes fugirem dali como se fugissem do pior pesadelo deles.
-- Vão embora daqui. Espalhem a notícia. Digam que estou de volta e que, de agora em diante, sou o líder da SCHORIA. -- disse Penêra.
Todos saíram correndo mas Manêro James resolveu ficar, já que ele estava presente no dia em que acharam que tinham matado Jorge.
Januário estivera refinando no porão da casa noturna. Ouviu uns barulhos estranhos. Então um silêncio. Ainda mais estranho. Ele subiu uma escada que levava até a porta atrás do balcão, no salão do bar, e ficou ali, vendo todos aqueles cadáveres espalhados pelo chão, todo aquele sangue, todo aquele sofrimento, e se lembrou de coisas que tinham acontecido na vida dele há muito tempo, quando ele era apenas um adolescente com uma faca nas mãos e muito ódio no olhar.
Januário ficou ali com uma arma de calibre 12 apontada para Penêra.
-- É melhor para você ir embora daqui enquanto ainda pode. -- disse Januário.
-- Cuidado! -- gritou Manêro.
Penêra deu um bom passo. BOOM. O tiro estraçalhou o peito dele, derrubando-o no chão. Parecia que Januário tinha matado Penêra. Apenas por um momento.
-- Merda!
Dois guarda-costas de Januário estavam escondidos. Eles tinham Penêra sob mira mas quando o último levou o tiro disparado por Januário, os guarda-costas baixaram a guarda. Ouviram um som horrível produzido pelo monstro alien e foram laçados por tentáculos que esmagaram os pescoços deles. O alienígena tinha tomado o controle. Imobilizou completamente Januário, deixando-o à sua mercê. Ele encarou Januário assustadoramente. Então o rosto voltou a ser de Jorge e Januário quase se acalmou um pouco.
-- Cale a boca por um momento e apenas escute. Me chame de Penêra. A partir de agora eu sou o líder e vocês vão me obedecer até que morram. Então estarão livres e ressucitarão.
Parecia que estavam na frente de uma coisa que só poderia existir no mundo dos pesadelos. A situação era grave. O peso de uma escolha terrível caíra sobre as cabeças daqueles criminosos de repente. Penêra soltou Januário e, dando uma volta pelo ensangüentado salão do bar, cheio de cadáveres, foi falando estas palavras:
-- Pensem nos ganhos. Vejam que, caso recusem, as perdas serão grandes e, no final, estamos do mesmo lado. Vamos continuar no crime. Vamos expandí-lo e dominar o submundo. Vocês, meus caros, têm a oportunidade de fazer parte disso. É pegar ou largar.
-- Está louco! -- disse um dos bandidos. descarregou uma 9 mm nas costas de Penêra. A fúria se apossou deste último, que matou o bandido e devorou as tripas dele. Voltou-se, então, para os outros bandidos. Todos perceberam que íam morrer ali, naquele momento. O alienígena pulou em cima de outro bandido. Gritos grotescos de horror e morte.
Januário tentou fugir. O monstro alienígena o alcançou. Envolveu o pescoço de Januário com tentáculos infernais, sufocando o traficante. Certamente esta seria a morte do bandido se Manêro James não tivesse, em meio ao próprio desespero, gritado:
-- Não, Penêra! Não nos mate. Nós vamos servir a você.
Penêra libertou Januário e disse:
-- Então me sigam.







Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Dom Dez 04, 2016 4:29 pm

A partir de então, nos dias que se seguiram Peneira cresceu no controle da região.
O dia seguinte estava amanhecendo. A enchente tinha passado, mas a cidade estava esburacada. Em alguns locais houve deslizamentos de terra. Ninguém ficou ferido, mas algumas famílias perderam suas coisas.
Dois policiais conversavam em seu carro. Eles eram um tenente e um subtenente. Seus nomes eram, respectivamente, Jairo e Kajo. Juntos eles comandavam uma força de centenas de policiais. Estavam procurando por Peneira nas ruas do centro de Maverich.
- O quê que eu tô fazendo aqui, mas que droga?! – disse o tenente Jairo, com um sorriso.
- Tá reclamando por quê? – respondeu o subtenente Kajo.
- Como ousa, seu bastardo maldito? Eu devia mandar você pra julgamento por causa disso... mas...
- Senhor? Mas o quê, senhor?
- Você é meu braço direito. Com sua ajuda vou pegar o bastardo que matou o general. O problema é que nós temos algumas coisas pra resolver primeiro. E isto vai levar algum tempo. O que sabemos até aqui?
- A informação está neste lugar que abre quando você puxa...
- Você tá engraçadinho hoje, não é? Você sabe o que eu faço com os engraçadinhos?
- O senhor quer que eu responda, senhor?
- É claro que não.
Eles prosseguiram em seu veículo. O tenente abriu o porta-luvas e releu o relatório.
Chegaram a um semáforo. Pouco adiante estava uma equipe de trabalhadores de Maverich. Usavam uniformes do MSANM (Manutenção dos Sistemas de Saneamento de Maverich).
O tenente e seu “braço direito” sabiam de praticamente tudo o que queriam. O subtentente tinha um hobby. Tinha os conhecimentos de um hacker, o que facilitava o seu acesso aos conhecimentos disponíveis em toda a web. Somado às informações específicas que a polícia local disponibilizava em seu banco de dados, tinham uma ótima ferramenta investigativa.
- Por enquanto somos incapazes de chegar perto dele, mas em breve o encontraremos. Então ele enfrentará toda a fúria do nosso batalhão especial. Está comigo?
- Sim, senhor! – exclamou o subtenente.
O rádio tocou. O tenente atendeu:
- Na escuta.
“tem uma cena de crime no Morro dos Cavalos”, saiu uma voz distorcida no rádio.
Para lá se dirigiram os policiais.
                                           () () ()

Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Qua Dez 21, 2016 9:47 pm

Januário tinha inúmeros rivais em seus negócios. Todos conviviam em paz até então.
Naquela manhã Peneira e Januário estavam sozinhos em um veículo. Januário estava dirigindo. Sentado no banco do passageiro, Peneira falou:
- Ei, Januário, não pense que eu confio cegamente em você. Você é uma figura marcante na minha história. Eu me lembro do que fez da última vez.
- Chefe, fica na boa, o que eu podia fazer? Chamar um médico? Eu...
- Não precisa se justificar, não.
- Você acha que essa é uma boa ideia?
- O quê? Terminar de matar alguém que já está morrendo? É melhor você não brincar comigo. Você vai ver o que acontece com quem brinca comigo.
- Eu não estou falando disso.
- Eu sei do que você está falando. Era só uma piada. Sua pergunta também parece uma piada.
- Talvez fosse.
- Não está com medo de mim?
- Ontem à noite, você quase me matou.
- Então por que você não está sentindo medo?
- Eu estou com medo, chefe, mas se me quisesse morto, já teria feito.
- É, você tem razão. Não se preocupe. Em breve você vai ter motivos pra ter medo. Muita gente vai ter medo de mim. Você vai ver.
Januário desligou o carro. Estavam perto de uma praça. Na praça havia doze homens. Januário disse:
- Aqueles são membros de uma gangue que trabalha pro Carrapato.
- Pega a câmera e filma tudo.
De dentro do carro, eles começaram a filmagem.
- Eu sou Peneira, e este é meu braço direito, Januário.
- É issaê! – exclamou Januário.
Peneira retomou a fala:
- Hoje vocês, meus caros psicopatas da Teia Abissal, vão testemunhar uma breve negociação no mundo do crime.
Então eles saíram do carro e caminharam por uma rua, pouco antes de serem abordados por um menino com uma arma de fogo. Ele disse:
- O que é que vocês querem aqui? Vão embora se não quiser morrer!
- É melhor você nos levar até seu chefe, pirralho, senão eu vou perder a paciência.
- Faz o que ele tá mandando, moleque! – gritou Januário.
Reconhecendo o bandido, o menino encontrou seu chefe, na praça, e o avisou que havia gente filmando tudo. O chefe do bando foi ver o que estava acontecendo. Encontrando Peneira e Januário ele disse:
- Em que posso ajudá-los, cavalheiros?
Peneira respondeu:
- Que papinho é esse aí? Vô mandar a verdade logo de cara, mané! Tu vai trabalhar pra mim agora.
- O quê? Mas o que é isso?! – exclamou o chefe do local, buscando sua arma. – Se tava querendo morrer, agora vai se arrepender!
Peneira, no entanto, foi mais rápido e se transformou no alien sinistro. O bandido chefe do local atirou, mas o disparo atingiu seu próprio comparsa, pois a mão do chefe bandido foi desviada pelos tentáculos de Peneira. A seguir, este último desarmou o chefe bandido com seus tentáculos gosmentos alienígenas. O pescoço do bandido foi envolvido. Gritos e guinchados inumanos. No olhar da vítima: o desespero.  
Peneira virou a cabeça de seu oponente em trezentos e sessenta graus. SNAP. E o bandido estava morto. Seu corpo escorregou sombriamente para o chão, inerte. Semente da destruição na atmosfera do medo.
Os outros ao redor, com espanto olhavam para Peneira.
Januário continuava a filmar. Ficava oculto por trás da câmera. Apenas sua voz era ouvida. Ele disse:
- Quem não obedecer o Peneira como novo chefe vai ter o mesmo destino deste idiota!
Peneira voltou à forma humana e disse:
- Não se espantem! Eu não vou eliminar o crime ou os criminosos. Apenas quem não me obedecer. Se alguém quiser me desafiar agora, terá uma morte rápida como este pobre coitado que achava que era o bandidão. Mas se depois deste momento qualquer um de vocês tentar me desafiar, terá uma morte lenta. Dolorosa.
Todos pareciam estar com medo.
Mesmo assim, três pessoas ousaram desafiá-lo. O primeiro tentou atacá-lo com uma faca, mas acabou com o estômago atravessado pelos tentáculos de Peneira. Outro atirou em Peneira com uma arma de calibre 12, atingindo suas costas e jogando-o no chão, destrutivamente.
O sangue verde de Peneira se espalhou no chão. Todos olharam para o autor do disparo, com exceção de Januário, que continuava filmando Peneira.
Foi como na noite anterior.
Após um breve período de tempo, Peneira se levantou. Seus tentáculos se moveram com agilidade. Envolvendo as pernas de seu inimigo, e puxando-as em direções opostas com a força da simbiose alienígena, Peneira partiu simetricamente seu oponente em dois. Tal é o poder de seus tentáculos fatais.
Em seguida uma bela jovem tentou atacá-lo. Ela gritou:
- Seu monstro! Você é o demônio!
Ele matou a ela também. Depois disse:
- Sim, eu sou um monstro e vim aumentar o poder do crime! Vocês se contentam em ganhar um pouco de dinheiro, mas eu lhes ofereço a oportunidade de mudar a realidade e inverter a ordem natural das coisas. A total corrupção do espírito humano! HAHAHA
- Que melodrama, hein, chefe? – disse Januário.
- Espero que tenha gravado tudo senão você terá se tornado um inútil...
- Eu sei o que o chefe faz com os inúteis. Escutem aqui, todos vocês que sobreviveram à fúria assassina de Peneira, o monstro. Vocês devem ficar em silêncio sobre o que viram hoje. Quem der com a língua nos dentes já sabe. Este vídeo vai ser divulgado apenas nos mais obscuros sites da Internet. Desta forma, nós aumentaremos a fama de nosso chefe. Quanto mais tiverem medo dele, mais ele será obedecido.

() () ()

Mais tarde os policiais chegaram ao local. Encontraram os corpos. Estavam todos perto da praça. Havia sangue espalhado para todos os lados.
O subtenente disse:
- O que foi isso? Antigamente as pessoas só atiravam umas nas outras.
A cena era devastadora. Não havia espaço para humor. Apenas a seriedade do medo e da pilha de corpos. Ainda assim, o tenente respondeu:
- Ora, não fique assim tão abalado. Esses eram caras maus.
- O cara que matou o cara mau... mas o que é isso?
Eles observaram a cena e separaram uma amostra do sangue esverdeado que Peneira deixara no chão, quando levara um tiro.
Outros policiais se aproximaram da cena. O tenente e seu “braço direito” se afastaram.
Pouco depois pararam em um restaurante para almoçar. Após comer conversaram.
- Você acha que foi quem procuramos?
- Acho que devíamos voltar lá há noite. Talvez possamos interrogar alguém.
Depois levaram as evidências para análise laboratorial.
                                               
() () ()

Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Sub Versão em Sab Fev 04, 2017 4:52 pm

Após a análise o geneticista estava observando o sangue verde de Peneira em um microscópio, mas disse:
- Não se preocupem com isto. Não é nada demais. É só uma tinta. Não poderia ser uma evidência.
O tenente disse:
- Você tá brincando comigo, não é, doutor?
- Sinto muito desapontá-los. Isto não é material genético. A estrutura celular não apresenta formações mitocondriais. Só pode ser uma estrutura inorgânica.
- Até mais, doutor. Na próxima, quem sabe...
O tenente e o subtenente saíram do laboratório.
- Você acreditou nele? – perguntou Jairo, o tenente. O subtenente, Kajo, respondeu:
- Não, e você?
- Tem alguma coisa errada. Ele está mentindo. Só não sei por quê.
Dentro do laboratório o geneticista, pegou o celular e digitou um número. Após oito toques, um homem atendeu. Sua voz era forte. Transmitia experiência e poder.
- Pode falar. – disse o homem que atendeu a chamada do geneticista.
- Você não vai acreditar em quem apareceu aqui, e o que eles trouxeram. Eu disse pra eles que a evidência não era válida, mas não tenho certeza se acreditaram. Pelo menos eles pararam de fazer perguntas.
- Eu não estou entendendo. Que evidência é esta?
- É sangue alienígena. A formatação de seu DNA é semelhante à do espécime que entrou esta noite, emergencialmente, nas instalações científicas do governo. No entanto, parece diferir em alguns aspectos.
- E onde eles encontraram o tecido?
- No Morro dos Cavalos, em uma cena de crime.
- Então, nosso amiguinho teve uma manhã agitada... Bom trabalho, meu caro. Se os policiais te procurarem de novo, dê meu telefone para eles. O resto é comigo.  
A ligação foi interrompida.
O nome do geneticista é Molares Brankos.

                                             ()()()

A noite chegou. Já fazia várias horas que Jairo e Kajo estavam no Cyber Café. Neste lugar, vasculhavam os terrenos sombrios da Teia Abissal em busca de alguma pista. Encontraram o vídeo de Peneira, matando o chefão do Morro dos Cavalos e outros membros de sua gangue.
- É isto mesmo, não é? – disse Kajo – olha só este tiro que ele levou. Só pode ser sangue aquilo que a gente entregou pro geneticista.
- A gente devia era descer um sacode neste Molares, mas é melhor deixar pra lá por enquanto. Só que agora a gente sabe que não pode mesmo contar com ele.
Os policiais saíram do Cyber café. Entrando no carro voltaram à cena do crime. De dentro do carro, ficaram observando por alguns momentos. A seguir ligaram o carro e deram uma volta. Chegaram a um bar. O entra-e-sai pareceu suspeito.
Os policiais entraram no bar.
- Somos da polícia e queremos ver os bastidores desta pocilga!
Eles foram levados por um corredor até um grande laboratório de refino de cocaína. Lá eles encontraram Peneira, sentado em uma cadeira que parecia um trono, enquanto mulheres seminuas manipulavam as substâncias químicas tóxicas. Máscaras respiratórias.
- Ora, ora, se não são os policiais da quebrada... vocês vieram atrás do dinheiro? Porque eu to assumindo hoje e to precisando, sabe, de um tempinho pra lucrar. – brincou Peneira.
- Não tente fingir que é engraçado. Alguém pode acabar se engasgando.-  respondeu o subtenente.
- Quanta rispidez. Vocês, policiais, são treinados para ser assim, ou só são assim?
- Você o escutou! – interveio o tenente – a brincadeira acabou. Nós sabemos que você é culpado das mortes de três pessoas que foram assassinadas hoje de manhã.
- E onde é que estão as provas? Um vídeo na Teia Abissal? Não pode ser considerado uma evidência. Como podem saber se é autêntico ou não?
O subtenente respondeu:
- Não importa. Nós sabemos que você é culpado, e que é um monstro. Vamos pegá-lo por causa do que fez com aquele policial no dia do jogo.
Peneira riu.
- Escutem aqui, eu tô perdendo a paciência com vocês. Fiquem sabendo que eu só vô deixar vocês saíram daqui vivos porque fui informado... eh... de que um certo grupo de extermínio é sediado em Maverich. Eu estou ansioso para conhecê-los. Senhores, agora, vão embora daqui!
Os policiais foram acompanhados por mais de duas dúzias de homens armados até a saída.
Entraram no carro e partiram.
                                               ()()()  

No carro conversaram, enquanto se movimentavam.
- Vamos voltar à delegacia? – perguntou o subtenente.
- Não... vamos até o mariposa rebelde.
- Qual é o motivo?
- Está questionando as minhas ordens, soldado?
- Senhor, sim, senhor?
- O quê?! Seu bastardo maldito! Eu devia acabar com você!
- Quer dizer... não, senhor, eu não, senhor, eu não estou questionando as suas ordens, apenas tecnicamente...
E assim eles chegaram ao Mariposa. Havia ali cerca de cinquenta pessoas. O segurança tentou impedir a entrada dos policiais, mas desistiu ao ver as suas identificações distintivas credenciais.
- Tá vendo isso aqui? Polícia!
Eles entraram.
O ambiente era escuro, banhado apenas esporadicamente, por luzes coloridas, como a aleatoriedade do mundo real, flutuando, solta, na bruma de palavras nebulosas.
Ouça as risadas e os sorrisos das mulheres belas, vestidas para encantar e seduzir, pintadas com o amor e a volúpia. Então eles viram os jogadores apostando, e as dançarinas dançando, se exibindo, decorando o lugar. Ao mesmo tempo, maravilhando olhares sedentos, luxuriosos e cheios de fantasia e horror. Esta é uma história de horror.
Encontraram o geneticista, bebendo cerveja, aos pés de uma dançarina.
- Como sabia que ele vinha aqui? – perguntou o subtenente.
- Como você acha?
Antes de qualquer chance de dizer alguma coisa, apareceram garçonetes com decotes e bandejas nas mãos. Uma delas se aproximou e abraçou o tenente.
Ele disse:
- Hoje não temos tempo para isto, meu amor, estamos procurando apenas o idiota do Molares.
As garçonetes foram embora, e o geneticista chegou.
- Muito bem, rapazes, vocês têm fama de serem durões e de saberem interrogar um homem. – disse ele - Antes que comecem a me agredir, eu vou lhes dar este cartão. É da pessoa que me deu ordens para guardar segredo sobre a evidência que trouxeram ao meu laboratório mais cedo.
- Como sabia que íamos falar sobre isto? – perguntou o subtenente.
- Eu pude ver em seus olhos que vocês não acreditaram na história que eu contei.
- Tudo o que sabemos é que você mentiu pra nós e agora queremos entender por quê.
- Todas as respostas lhes serão dadas pela pessoa no telefone.
Eles ligaram para o número do telefone. Um homem, nadando apenas com uma mulher em uma piscina, fumando charuto ouviu o telefone tocar, e mandou embora a garota. Ao atender ele disse, enquanto usava uma boia para flutuar na piscina:
- Muito bem eu sabia que iriam telefonar. Eu sou o capitão Wernstrom da polícia da grande Maverich. Temos ordens diretas de manter sigilo sobre a disseminação da Vacinali-N. De outra maneira, apenas pânico seria criado. Apesar disso, eu tenho uma missão pra vocês. Quero o fim deste monstro imediatamente, está nas suas mãos acabar com ele.
Ele desligou.
- Como vêem, eu não menti de má-fé, mas apenas para cumprir ordens.
- Você é um idiota, sabia, geneticista?
Eles foram embora dali. Antes de chegarem ao carro, o subtenente comentou:
- Pior que o Wernstrom não respondeu nada.
- É verdade, mas pelo menos deu pra entender que o sangue verde era do Peneira e que devemos trabalhar nas sombras.
Entraram no carro. Após o som das portas do veículo batendo, ao fechar, o subtenente disse:
- Eu pensei que a gente ia trabalhar no caso.
- É mesmo!
Antes de ligar o veículo o celular do tenente tocou:
- Podemos nos ver na delegacia? Queria falar pessoalmente.
- É claro.
Passaram na delegacia. Entraram por uma sala de recepção e desceram dois degraus pequenos, que conduziram a um balcão. Atravessaram o balcão e entraram por uma porta, pouco após o balcão.
Caminhara por um corredor e chegaram a outra sala cheia de computadores e pessoas atrás deles. Uma destas pessoas era uma mulher bela que se levantou e lhes lançou um olhar, dirigindo-se para uma escada circular e atingindo o andar de cima. Então caminharam até uma mesa:
- Muito bem, eu chefio o setor logístico local, e tenho boas notícias para vocês. A minha beleza é apenas externa. – disse esta mulher.
- Helena, pare de brincadeiras – respondeu o subtenente – como algo tão absurdo podia ser uma boa notícia?
- Não me peça para explicar – disse ela – porque nem se fizesse um desenho você entenderia.
O tenente disse:
- Ora não fique assim com o Kajo. Afinal de contas, não é qualquer um que é capaz de entender um desenho. Você disse que queria nos ver e agora estamos aqui.
- Esta é uma foto do general de Maverich se divertindo com a filha de um dos chefes do tráfico de Maverich. Esta outra foto é da mesma garota encontrada morta doze dias depois, ou seja hoje de manhã, no final da madrugada.
- Quem encontrou o corpo?
- Um mendigo perto do esgoto.
- Por que não nos contou mais cedo?
- Eu queria ter mais do que isto quando ligasse. Veja este arquivo, por exemplo. Se quiser pode ler mais tarde, mas posso lhe dizer que encontrará informações ligando o general a alguns assassinatos, uns três ou quatro, agora não me lembro bem. Em nenhum dos casos, porém, foi estabelecido inquérito. Aqui, tenho uma cópia pra você também, subtenente.
- Eu nunca esqueci que você me ama.
- Não brinque com a sorte, Kajo
- Não me chame de Kajo! Chame-me de subtenente Kajo.
Helena disse:
- O subtenente Kajo vai chorar se a gente não fizer o que ele quer...
- Pode parar! – respondeu o subtenente Kajo – Eu sou um cara durão!
- Todo mundo sabe, subtenente. Não precisa ficar gritando. Então é isto. Obrigado, Helena. Sabemos o que fazer.
- Não esqueçam que nunca falamos sobre isto.
- Pode ter certeza! – respondeu o subtenente Kajo.  
Fecharam o trabalho por aquela noite.

Sub Versão
Nivel 3

Mensagens : 38
Pontos de reputação : 1
Data de inscrição : 29/06/2012
Idade : 29
Localização : Sorocaba - SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vacinali-N

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum